Inscreva-se na Newsletter

Inscreva-se na nossa Newsletter e receba actualizações e notícias da CJP-CIRP no seu e-mail.




Contador de visitas

mod_vvisit_counterHoje247
mod_vvisit_counterOntem480
mod_vvisit_counterEsta semana1182
mod_vvisit_counterÚltima semana2682
mod_vvisit_counterEste mês4923
mod_vvisit_counterÚltimo mês8125
mod_vvisit_counterTotal462942

Visitantes Online: 8

Login

Mais perguntas se levantam Versão para impressão
Segunda, 05 Novembro 2012 00:50

cnjp confConferência da CNJP

Lisboa, 03 nov 2012 (Ecclesia) - O embaixador português Francisco Seixas da Costa denunciou, esta manhã, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, a “divinização do mercado”.

Na sua preleção, Francisco Seixas da Costa fez uma reflexão sobre a nota do Conselho Pontifício Justiça e Paz, organismo da Santa Sé, intitulada «Para uma reforma do sistema financeiro e monetário na perspetiva de uma autoridade pública de competência universal», onde sublinhou que o documento tem “claras críticas à aplicação abusiva do modelo liberal”.

Nesta iniciativa organizada pela Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP), o embaixador representante permanente junto da UNESCO refere que o documento critica a “cultura comportamental” onde “pouco a pouco” se perde a solidariedade.

“Caminha-se para uma verdadeira selva de natureza social”, frisou Francisco Seixas da Costa.

A nota do Conselho Pontifício Justiça e Paz “sai facilmente das portas da Igreja” porque se situa “no patamar do óbvio bom senso” para o qual são convocados “todos os cidadãos”, adiantou o embaixador.

Em relação ao estado atual da sociedade, Francisco Seixas da Costa gostaria de saber o que “pensam certos elementos da Universidade Católica que blogam e editam em colunas jornalísticas o seu extremado liberalismo”.

O texto do Conselho Pontifício Justiça e Paz apela a um percurso “de responsabilidade e de exigência ética” e que a “desregulação que o mundo atravessa” só poderá ser superada “por uma mais eficaz governança do processo económico-financeiro internacional”.

A conferência anual da CNJP, subordinada ao tema «Portugal: O país que queremos ser», vai ter também como conferencista o constitucionalista José Gomes Canotilho que falará sobre «O papel do Estado na realização do bem comum» e uma intervenção do ex-presidente da República Portuguesa, António Ramalho Eanes, sobre «A sociedade civil nas sociedades democráticas contemporâneas».

No encerramento estará D. José Policarpo, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa e Alfredo Bruto da Costa, presidente da CNJP.

A CNJP, organismo laical da Conferência Episcopal Portuguesa, foi criada com a finalidade genérica de “promover e defender a Justiça e a Paz, à luz do Evangelho e da doutrina social da Igreja”.

LFS (Agência Ecclesia)