Inscreva-se na Newsletter

Inscreva-se na nossa Newsletter e receba actualizações e notícias da CJP-CIRP no seu e-mail.




Contador de visitas

mod_vvisit_counterHoje419
mod_vvisit_counterOntem485
mod_vvisit_counterEsta semana1379
mod_vvisit_counterÚltima semana2178
mod_vvisit_counterEste mês8610
mod_vvisit_counterÚltimo mês7543
mod_vvisit_counterTotal482177

Visitantes Online: 5

Login

Um alerta Versão para impressão
Sexta, 26 Julho 2013 14:24

Para que um futuro melhor seja possível

alertaA situação económica com as suas consequências na qualidade de vida dos cidadãos tem constituído há vários anos um motivo de reflexão e de intervenção cívica por parte de vários economistas e pensadores que fazem dos princípios da Doutrina Social da Igreja uma plataforma para a sua abordagem. Nas últimas semanas o Grupo Economia e Sociedade publicou o documento “Para que um futuro melhor seja possível”.

Perante dois factos relevantes – constatação dos efeitos perversos das políticas de austeridade e crescente manifestações de descontentamento – o Grupo quis alertar para a criação de um novo rumo para o país, que não pode limitar-se à mera reconquista dos objetivos financeiros. O desemprego, o empobrecimento, o aumento das desigualdades, a desindustrialização, o desmantelamento progressivo do estado social atiraram-nos para uma situação de emergência. Para a enfrentar é preciso ousadia para um debate mais amplo, tomando consciência coletiva da situação em que nos encontramos e traçando uma definição clara dos objetivos prioritários.

mudar o sinalPartindo do que somos, refere que temos de pôr em destaque o potencial que temos, “mobilizando energias adormecidas e suscitando respostas inovadoras” para ultrapassarmos o “desperdício nacional”, registando que “o problema do país não é tanto a falta de dinheiro, mas o facto de aquele estar mal repartido e mal aplicado”. Há que olhar para o modelo económico e social que queremos, pelo que é necessário consensualizar as prioridades na governação e na políticas públicas, a saber:
     - a centralidade da pessoa humana, o bem-estar e qualidade de vida, o bem-estar coletivo.
     - a prioridade do bem comum e da coesão social.
     - o correto relacionamento dos governantes.
     - uma posição de responsabilidade, sem subserviência.
Finalmente há que avançar com mudanças no modelo económico, analisar as disfuncionalidades e também mudar as coordenadas da matriz cultural dominante; e ainda, há que agir para evitar a depressão coletiva e a anomia social.

 V.G.

para ver o terxto integral clique aqui.