Inscreva-se na Newsletter

Inscreva-se na nossa Newsletter e receba actualizações e notícias da CJP-CIRP no seu e-mail.




Contador de visitas

mod_vvisit_counterHoje246
mod_vvisit_counterOntem480
mod_vvisit_counterEsta semana1181
mod_vvisit_counterÚltima semana2682
mod_vvisit_counterEste mês4922
mod_vvisit_counterÚltimo mês8125
mod_vvisit_counterTotal462941

Visitantes Online: 7

Login

Vozes que se levantam III Versão para impressão
Segunda, 22 Outubro 2012 23:25

fome-SetubalConvite à intervenção

A Comissão Justiça e Paz de Setúbal fala em milhares de pessoas totalmente «entregues a si próprias» e «sem perspetivas de futuro». Não é a primeira vez que a população sadina sente o aguilhão das dificuldades. Mas neste momento vive um dos “períodos mais dramáticos da vida pós-25 de Abril”. Escreve a Agência Ecclesia:

17 out 2012– A Comissão Justiça e Paz (CJP) de Setúbal apela aos católicos para marcarem a diferença, no meio da “falência” socioeconómica que atingiu o país, ajudando a construir “um intenso espírito de solidariedade para com todos”.

Em comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, o presidente daquele organismo diocesano, Mário da Silva Moura, sustenta que o peso da “crise”, mais a “austeridade asfixiante” que está a ser aplicada pelo Governo, para equilibrar o défice das contas públicas, levaram o país a “um dos períodos mais dramáticos da sua vida pós-25 de abril”.

Um cenário que, segundo aquele responsável, precisa da intervenção de todos os católicos, “qualquer que seja a sua situação no mercado de trabalho, trabalhadores ou patrões”, fomentando a “entreajuda” e “a função social das empresas”.

O líder da CJP sadina “solidariza-se com todos aqueles que sofrem com as medidas de austeridade”, com “aqueles que vivem o desespero do desemprego” e passam “fome por falta de apoios sociais”.

Mário da Silva Moura aborda especialmente a situação do seu distrito, onde em abril “53800 trabalhadores estavam inscritos nos centros de emprego” e “a precariedade” laboral atingia “mais de 50000” pessoas.

Numa região “onde vivem cerca de 850 mil pessoas (8% da população residente em Portugal) ”, a falta de trabalho pesa fortemente sobre os mais novos e a redução dos apoios sociais reflete-se sobretudo na situação dos mais velhos, já que “um em cada quatro idosos” está em “risco de pobreza”.

Completamente “entregues a si próprias” e “sem perspetivas de futuro”, as pessoas são dominadas pela “depressão” e as “lojas fechadas e ruas desertas provocam ambientes de desolação e desespero”, lamenta o presidente.

A mensagem da CJP de Setúbal termina salientando que “qualquer mudança só é exequível quando muitos se associam com o objetivo de a provocar” e que “os cristãos têm de estar presentes pois estão unidos no Corpo Místico do Cristo que deu a vida por Amor, pelos pobres e excluídos”.

JCP