Inscreva-se na Newsletter

Inscreva-se na nossa Newsletter e receba actualizações e notícias da CJP-CIRP no seu e-mail.




Contador de visitas

mod_vvisit_counterHoje245
mod_vvisit_counterOntem480
mod_vvisit_counterEsta semana1180
mod_vvisit_counterÚltima semana2682
mod_vvisit_counterEste mês4921
mod_vvisit_counterÚltimo mês8125
mod_vvisit_counterTotal462940

Visitantes Online: 6

Login

Rede África Europa Fé e Justiça Versão para impressão
Quarta, 23 Maio 2012 22:13

A nossa responsabilidade para com a África

frica.AEFJN

Cerca de meia centena de religiosas/os e de pessoas ligadas à Missão Ad Gentes tiveram hoje a oportunidade de refletir e debater sobre a nossa missão no que concerne à relação entre a Europa e a África com a Ir. Begoña Inarra.

Num segundo momento realizou-se uma mesa redonda "Olhares cruzados sobre África", em que a mesma participou juntamente com o Engº Simões Pereira (CPLP) e o Dr. Rui Moreira Carvalho (autor do livro "Compreender + África"), moderada pelo jornalista da Ecclesia Paulo Rocha. Transcrevemos a notícia:


Lisboa, 23 maio 2012 (Ecclesia) - A religiosa espanhola Begoña Iñarra, secretária executiva da Rede Fé e Justiça África Europa, afirmou hoje que Portugal é responsável pelo empobrecimento dos camponeses africanos ao financiar a produção de combustíveis biológicos nos seus países.

"Portugal, seguindo a prática dos países membros da União Europeia, está a dar subsídios às companhias produtoras de biocarburantes, dado que na Europa não há terrenos disponíveis para essas culturas", denunciou a responsável em declarações à Agência ECCLESIA.

A aquisição por parte de proprietários locais e companhias estrangeiras de vastas áreas de terreno para a produção de combustíveis e alimentos, destinados à exportação, constitui a principal preocupação da organização cristã, que tem como objetivo pressionar as instituições europeias para os problemas económicos em África.

"Os compradores prometem emprego aos camponeses que ficaram sem as terras mas não o dão porque a maior parte da mão de obra é substituída por trabalho mecanizado", explicou, acrescentando que a verba recebida pelos agricultores, quando são indemnizados, "chega-lhes para um ano, não mais".

Os salários e condições laborais da população que continua a trabalhar nos campos adquiridos pelas multinacionais são escassas, como acontece com uma companhia dos EUA conhecida pela produção e exportação de bananas, que comprou uma empresa do mesmo ramo nos Camarões.

"Os camponeses, que trabalham desde as cinco e meia da manhã até às cinco da tarde, e alguns à noite, têm ordenados miseráveis, abaixo do salário mínimo", apontou a religiosa, que destacou a diferença entre o preço de produção, 15 cêntimos por quilo, e de venda, 1,60 euros em Inglaterra, um aumento superior a mil vezes.

A secretária executiva referiu igualmente que o preço dos bens alimentares está a crescer, não por falta de chuva mas porque os mercados estão a aplicar os seus recursos na compra de alimentos e terrenos, investimentos mais seguros do que a construção e outros setores, cujo valor caiu nos últimos anos.

A responsável pretende que a delegação portuguesa da Rede Fé e Justiça pressione os responsáveis políticos nacionais para que eliminem os subsídios às companhias produtoras de biocarburantes e se empenhem, no seio da União Europeia, na elaboração de uma "moratória sobre a venda das terras, se os governos africanos estiverem de acordo".

RJM - Agência Ecclesia