Inscreva-se na Newsletter

Inscreva-se na nossa Newsletter e receba actualizações e notícias da CJP-CIRP no seu e-mail.




Contador de visitas

mod_vvisit_counterHoje56
mod_vvisit_counterOntem697
mod_vvisit_counterEsta semana2981
mod_vvisit_counterÚltima semana3029
mod_vvisit_counterEste mês8311
mod_vvisit_counterÚltimo mês10312
mod_vvisit_counterTotal438334

Visitantes Online: 7

Login

Campo Aberto
A quem se destina este 'Campo Aberto'? Clique aqui para saber mais.                                                                                      ico_campo_aberto_file Envio de artigos

Acção e contemplação Versão para impressão
Domingo, 30 Maio 2010 17:09
A síntese necessária

20100530_Papa1

Na sua recente visita apostólica a Portugal, Bento XVI teve um encontro com as organizações da pastoral social na Igreja da Santíssima Trindade, em Fátima. No seu discurso, o Pontífice apresentou um programa para os cristãos envolvidos no campo social, convidando-os a alcançar uma "síntese satisfatória da vida espiritual com a acção apostólica". O Papa pediu que as instituições humanitárias da Igreja não abdiquem da sua identidade católica e elogiou todas as iniciativas em prol da vida humana.

Continuar... [Acção e contemplação]
 
Entre o pânico e a paz (IV) Versão para impressão
Sexta, 16 Abril 2010 18:32

Deus não pode ser obstáculo

Sin_SMB

Acaba de aparecer no último número da Revista Vida Nueva (Nº 2.701-Abril 2010) uma breve reportagem sobre o Museu de Santa Maria la Blanca, em Toledo, que hoje é também sede da Fraternidade Maria Estrela da Manhã, erigida canonicamente em 1999 e composta por dez consagrados, homens e mulheres.. É de todo o interesse conhecer preciosidades que à primeira vista ninguém dá por elas. Por isso vamos transcrever parte do referido texto:

Continuar... [Entre o pânico e a paz (IV)]
 
Entre o pânico e a paz (III) Versão para impressão
Quinta, 15 Abril 2010 00:33

Diálogo inter-religioso: o caminho faz-se caminhando

20100415_salmo_392Não basta olhar para o caminho dos outros se nós mesmos não dermos os passos que podemos dar. O diálogo inter-religioso não é a negação do que de mais profundo existe na pessoa - a sua fé - mas apenas uma atitude de verdade que, como diz Jesus, nos liberta; verdade que significa necessariamente humildade, reconhecendo a própria pequenez perante o mistério da vida, perante o mistério de Deus que ultrapassa tudo o que cada um e todos juntos possam entender ou expressar.

Continuar... [Entre o pânico e a paz (III)]
 
Entre o pânico e a paz (II) Versão para impressão
Quarta, 14 Abril 2010 11:56

Só a confiança constrói

20100414_Istiqlal_Mosque"O medo não é bom conselheiro" - dizia há dez anos o Presidente da Comissão Episcopal das Migrações em França quando, no calor do cerco aos imigrantes, mostrava aos seus irmãos na fé que não podiam deixar-se levar na corrente xenófoba que ameaçava o país. E que o medo não podia ser o seu conselheiro.

Diante do alarmismo sobre uma eventual "conquista" da Europa pelo Islão que encontramos entre alguns irmãos na fé, sejam quais forem os argumentos invocados, só temos um caminho a seguir: a Palavra de Deus. Essa ajuda a ter um olhar diferente sobre a realidade e consequentemente motiva a pessoa a agir em conformidade.

Continuar... [Entre o pânico e a paz (II)]
 
Entre o pânico e a paz (I) Versão para impressão
Segunda, 12 Abril 2010 22:53

É preferível ser bombeiro a ser incendiário

20100413_GandhiHá tempos alguém pôs a circular uma notícia (já velha) sobre uma manifestação de islamistas em Londres com slogans incitando à violência contra os europeus no meio dos quais vivem. A apresentação da mesma constituía um claro alerta contra o perigo que espreita mesmo ao dobrar da esquina. Obviamente que toda a violência, inconsciente ou explícita, é expressão de desumanidade, cujos frutos só podem ser sinais de morte. Mas tão perigoso como ela será a atitude nascida da desconfiança e do medo que leva a criar diante de si um inimigo a eliminar. Ainda que proclamando as bem-aventuranças, logo se vê que entre os dentes está o punhal pronto a lançar contra o assumido agressor. É a lógica da guerra, tão antiga como a humanidade e tantas vezes alimentada em nome da religião.
Continuar... [Entre o pânico e a paz (I)]
 
<< Início < 1 2 3 4 5 7 > >>

Pág. 7 de 8